renancevales@gmail.com       +55 11 993 977 683

  • Preto Ícone Vimeo
  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon

TRILOGIA DOS MODELOS

TRILOGY OF THE MODELS

COMO UM JABUTI MATOU UMA ONÇA E FEZ UMA GAITA DE UM DE SEUS OSSOS

2015

HOW A TORTOISE KILLED A JAGUAR AND MADE A HARMONICA OUT OF ITS BONES

2015

COMO UM JABUTI MATOU UMA ONÇA E FEZ UMA GAITA DE UM DE SEUS OSSOS

2015

HOW A TORTOISE KILLED A JAGUAR AND MADE A HARMONICA OUT OF ITS BONES

2015

The project How a tortoise killed a jaguar ... had its first formalization as an perfromance-lecture, in which the theoretical discourse was gradually changed to gestures and situations that had in common the disorganizing of the erect-dominating posture of the performer through the power of gravity, making the speaker's body repeatedly to the floor - following the falling objects, the liquids that flow, the things that break. The libretto that accompanies the performance - and which should be read together - drafted in the mold of a revolutionary manifesto inspired by the radical feminist Valérie Solanas's "SCUM Manifesto proposes a hypothetical future, creating a sci-fi future in which the jabutis and the orange color will dominate the world, giving space to a new idea of ​​humanity, which would operate through paths other than our own.

In its second version we see, in a loop, the image of a male body subjugated by an object: a high-heeled orange shoe whose heel is a 30cm stake. Unable to stand up and occupy an erect, masculine, domineering position, this body moves slowly across the horizontal plane through a choreography that condenses images of a woman's objectification. From the transformation of the shoe and its placement into a masculine body, the work revisits the problems pointed out in the SCUM manifesto, and rediscovering, from the repetition, the serial procedure of the work of Warhol. In this version, there is an infiltrated performer who delivers the librettos while whispering a secret phrase in the audience's ear.

O projeto Como um jabuti matou uma onça... teve sua primeira formalização enquanto uma palestra performada, na qual o discurso teórico ia sendo gradualmente subjetido a gestos e situações que têm em comum o papel inexorável da gravidade como desorganizadora da postura ereta-dominadora, fazendo com que o corpo do palestrante vá repetidamente ao chão, acompanhando os objetos que caem, os líquidos que escorrem, as coisas que se quebram. O libreto que acompanha a performance e que deve ser lido em conjunto, redigido aos moldes de um manifesto revolucionário (inspirado no “SCUM Manifesto” da feminista radical Valérie Solanas) propõe um futuro hipotético, criando um cenário textual intencionalmente fantasioso no qual os jabutis e a cor laranja dominarão o mundo, dando espaço a uma nova ideia de humanidade, a qual operaria por vias distintas da nossa. 

Sua segunda versão apresenta, em loop, a imagem de um corpo masculino subjulgado por um objeto: um sapato de salto alto laranja cujo salto é uma estaca de 30 centímetros. Impossibilitado de ficar em pé e ocupar uma posição ereta, masculina e dominadora, esse corpo transita lentamente pelo plano horizontal através de uma coreografia que condensa imagens referentes à uma objetificação da mulher. A partir da transformação do sapato e da sua colocação em um corpo masculino, o trabalho revisita corporalmente os problemas apontados no SCUM manifesto e reencontrando, a partir da repetição, o procedimento seriado da obra ds Warhol. Nessa versão, há um performer infiltrado que entrega os libretos enquanto sussurra uma frase secreta no ouvido do público.

HISTÓRICO WORK PRESENTATIONS

2015

Temporada de estreia na Oficina Cultural Oswald de Andrade (SP)

Premiere - Oficina Cultural Oswald de Andrade (SP) 

2016

Exposição no MAJ SESC Ribeirão Preto (SP)

Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba (SP)

Exposição Corpo de prova - Galeria Carbono (SP)

MOVIMENTA #2 - Galeria Mezanino (SP)

SP-ARTE 2016 (SP)

Trabalha-dores do cu - Espaço Cultural Maus Hábitos (Portugal)

Salão dos Artistas Sem Galeria (SP)

Exhibition MAJ SESC Ribeirão Preto (SP)

Contemporary Art Hall Piracicaba (SP)

Exhibition Corpo de prova - Carbono  Gallery (SP)

MOVIMENTA #2 - Mezanino Gallery (SP)

SP-ARTE 2016 (SP)

Trabalha-dores do cu - Maus Hábitos Cultural Space (Portugal)

Artistas Sem Galeria Hall (SP)

2017

PERFORME-SE - Vitória (ES)

2018

Virada Cultural - Sesc Pompéia (SP)

COMO DEVORARAM UM PRISIONEIRO E ME CONDUZIRAM A ESSE ESPETÁCULO

2019

HOW THEY DEVOURED A PRISONER AND LED ME TO THIS SHOW

2019

In this work in progress, Renan works from excerpts from the writings of Hans Staden, author of the first printed book to talk about Brazil. Wearing a pair of glasses that blend the violence of the revolver bullet with pearls, the artist slowly revisits gestures of pain and suffering, around printed passages from the original Staden, which mirror issues very close to us.

Na pesquisa em processo, Renan trabalha a partir de trechos dos escritos de Hans Staden, autor do primeiro livro impresso a falar sobre o Brasil. Trajando um óculos que mistura a violência da bala de revólver com pérolas, o artista revisita lentamente gestos de dor e sofrimento, ao redor de trechos impressos do original de Staden, que espelham questões muito próximas a nós.

HISTÓRICO WORK PRESENTATIONS

2018

feira Parte (abertura de processo)

Parte Art Fair (work in progress)